Super Dica de Cinema
  13/09/2021 às 11h54

Maligno


6
0
Maligno

Tenho pensado na importância dos filmes de terror. A maioria em sua construção procuram trazer não apenas os sustos fáceis ou as criaturas aterrorizantes, mas de maneira alegórica toca em pontos que a sociedade ainda não se fez corajosa em falar. E através das entidades mais macabras possíveis, encontramos forma de destruir, ou não, aquilo que nos assusta. Assim, em algum momento dentro do gênero, uma pessoa surge para pegar tudo isso que se torna pauta em um programa, para não apenas homenagear, mas para abraçar a insanidade do nosso interior durante mais de duas horas de filme.

Desta forma, 'Maligno' chega aos cinemas trazendo James Wan no comando do seu mais pleno surto criativo e ousado! Mesclando subgêneros do horror, atrelado ao gore e a tensão crescente, dentro de uma trama que referencia diversas obras clássicas, o cineasta apresenta um espetáculo megalomaníaco de ideias subjetivas, e surreais, contando uma história que nos prende pelo fato de não sabermos para onde estamos indo, só que neste ponto, confiamos em quem está nos conduzindo. E este parágrafo é dedicado à alguns fãs da A24 que sairão irritados da sessão deste filme pois não encontrarão niilismo, tão pouco conceito da pós-modernidade atrelada a psique humana! Poxa, acho que vocês estão precisando de um amigo tipo o Gabriel!

Madison está grávida e após uma discussão com o marido acaba sendo ferida. Porém, durante a noite alguém invade a sua casa e começa uma verdadeira carnificina de pessoas próximas a moça. Logo, ela percebe que alguém de seu passado está de volta e para acabar com os assassinatos que continuam a ocorrer, Medison deverá reviver memórias esquecidas, adentrando locais da sua mente já esquecidos, onde o pesadelo se torna real e mortal.

James Wan é um diretor que consegue estabelecer tendências e colocar personalidade nos projetos que propõe a fazer. Não à toa que Aquaman é um dos melhores filmes da DC Comics e que Invocação do Mal se tornou uma franquia consolidada na sétima arte. Sem contar seu início em Jogos Mortais, outra obra que influenciou o gênero de terror nos anos 2000. E aqui, Wan demonstra estar confortável em transitar por diferentes vertentes do cinema de horror, as mistura, separa e retorna a unir tudo num grande, e intrigante, descontrole visual!

+ Siga a rádio FM Super também pelo Facebook, Instagram e YouTube.

O diretor abusa dos planos longos, das câmeras que passam pelos ambientes, capturam as imagens de cima, nos dando a sensação de um perigo que está o tempo todo ao redor. Essa construção se encaixa perfeitamente na narrativa que está sendo contada, pois o medo não está no susto fácil em tela, e sim na elaboração de uma atmosfera cujo enigmas, e mistérios, são cada vez mais profundos, e bizarros!  Junte isso, a escolha de empregar sequências de ação bem coreografadas, aliadas ao gore que intensificam ainda mais esses momentos. E aqui você encontrará ossos se partindo, sangue jorrando e entre outras formas de violência. James Wan não economiza! Justamente para também estabelecer o subgênero principal que quer homenagear, o Giallo Italiano.

Conhecido pelas mãos de diretores como Mario Bava e Dario Argento, os filmes Giallo possuem características que ajudaram na construção de outros tipos de filmes de terror, o slasher por exemplo. Encontramos aqui assassinatos em série, a luva preta, a faca característica, a trama policial que vai amarrando o que é necessário ao entendimento e enfim, chegamos a revelação de tudo! Tais elementos presentes nessa veia do terror.

James Wan realiza então um trabalho não só pautado na descoberta da trama ou no ato de apavorar a plateia, o seu papel aqui é nos conduzir através de uma narrativa que em pouco mais de duas horas de exibição consegue unir o cinema de terror como um todo!

Sobrenatural, psicológico, terror social, thriller de suspense. São algumas das facetas de "Maligno" e não, não é possível encaixá-lo dentro de um subgênero do horror. E o roteiro se encarrega de brincar com a percepção do espectador desde o começo.
A produção nos dá uma sequência inicial chocante, vai galgando espaço dentro de um suspense pautado em elementos do passado que vão se juntando no decorrer da trama e quando precisa entregar a revelação essencial, ele modifica novamente aquilo que pensamos, acrescentando algo mais e causando um choque surpreendentemente bizarro!

Ao mesmo tempo, a história ainda consegue dialogar com o público acerca de questões do cotidiano. Há toda uma metáfora sobre relacionamentos abusivos que aqui ganha a figura daqueles que minam as forças alheias, se aproveitam dos sentimentos e tendem a manipular o outro para que realize, ou deixe de fazer, algo em sua vida. Desta forma, quando adentramos a narrativa de Madison adquirimos o sentimento imediato de empatia, que aos poucos começa a se misturar a figura de uma possível "Final Girl", meio às atrocidades que tem vivenciado. Porém, não aguarde obviedades!

Nesse aspecto as referências a "A Hora do Pesadelo", "Pânico"(Com direito a um momento 'Hello, Sidney'), "O Bebê de Rosemary", entre outras obras, saltam na tela, para nos confundir ainda mais nessa catarse surtada de terror, pois por mais que você pense ter encontrado todas as respostas, James Wan te mostra outro caminho, e assim como nos filmes referenciados, a surpresa se demonstra impactante!

'Maligno' é uma catarse bizarra que mescla diferentes vertentes do terror que carrega o espectador em uma atmosfera que vai além do susto fácil, pois ao adentramos cada vez mais na história, tudo parece possível e ao mesmo tempo, difícil de entender. Logo, quando James Wan abre espaço para as revelações o choque toma conta de quem assiste, estabelecendo este como um dos filmes mais surtados, insanos e caóticos de 2021! E para bons amantes do terror, isso é sensacional!

Deste modo, o cinema de terror é uma construção que procura trazer não apenas os sustos fáceis ou as criaturas aterrorizantes, em alguns casos, mas de maneira alegórica toca em pontos que a sociedade ainda não se vê aberta ao diálogo. Assim, através das entidades mais macabras possíveis, encontramos forma de destruir, ou não, aquilo que nos assusta, nos assombra e acompanha. James Wan sabe muito bem como conduzir essas nuances!

Maligno está em cartaz nos cinemas! 

Will Weber
Geek Guia

Tags

Últimas Dicas

sombra

Promoções
sombra

Artista em Destaque

145
18

Amigos da Super