Notícias
  17/01/2022 às 14h08

Super Dica de Cinema – Pânico (2022)


7
1
Super Dica de Cinema – Pânico (2022)

Estamos numa era diferente para o gênero de terror na sétima arte! Certos conceitos estão sendo modificados, regras antes estabelecidas passam a ser quebradas e as questões sociais ganham mais peso, além de serem as promulgadoras em sua maioria dos aspectos de horror dentro de cada história. E nada mais justo que uma franquia que se apoia na estrutura deste tipo de cinema, mostrar o quanto existe muito mais a ser explorado. Pois entre uma ligação e outra, e facas que atravessam a pele, um elemento jamais pode ser esquecido: Quem está assistindo!

Desta forma, 'Pânico' (Ou Pânico 5) chegou aos cinemas revitalizando e dando novos rumos para uma franquia consagrada dentro do terror. Ao trazer novamente o elenco original, mas apresentando novos personagens, a trama onde nos vemos tentando descobrir quem é o assassino da vez ganha novas nuances, faz referência à clássicos contemporâneos, subverte ainda mais as regras que as obras anteriores ajudaram a construir e nos faz entender que talvez o grande problema seja gostar de algo de modo excessivo! E desta vez perguntar "Qual seu filme de terror favorito?" trará muito mais que Ghostface!

+ Siga a rádio FM Super também pelo Facebook, Instagram e Youtube.

Sam é uma jovem que deixou Woodsboro há muito tempo, mas quando sua irmã mais nova, Tara, é atacada brutalmente, ela decide voltar e confrontar o seu passado. Ao mesmo tempo um novo assassino surge na cidade, responsável não só pelo ataque da irmã de Sam, mas também por novas mortes. Isso faz com que Dewey, Gale e Sidney se vejam conectados à essa nova onda de crimes e com o tempo se tornando cada vez mais curto, é necessário descobrir quem está por trás de tudo isso, pois uma nova vítima será feita por Ghostface em seu novo "filme"!

Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett assumem o posto da direção do longa, pois infelizmente perdemos Wes Craven em 2015, porém algo que já precisa ser tido é o quanto a dupla que está à frente da produção honra o material criado por Wes em 1996 e que se estendeu até 2011, em sua última realização na franquia!

Logo, os diretores conhecem a estrutura do cinema de terror, sabem o que fazer, mas ao se tratar de "Pânico" não basta saber a fórmula, precisa encontrar um meio de transformá-la e usá-la como piada.

E assim, o fazem. A sequência inicial brinca com a nossa percepção de onde o perigo pode estar vindo, além de pontuar questões como o fato de hoje em dia poucas pessoas utilizarem o telefone fixo! Isso faz com que as situações se tornem ainda mais violentas e angustiantes, não deixando brecha para que venhamos pensar que exista a possibilidade de sobreviventes! Contudo há uma quebra logo de cara deixa o espectador atento aos novos rumos!

De igual modo, temos um capítulo da franquia que não economiza em sague, partes dilaceradas ou quebradas de seus personagens. E não estamos falando de pequenas escoriações. É sangue para todo lado e sobra espaço até mesmo para atear fogo! Desta forma, os diretores transitam a câmera pelos espaços, fazem um verdadeiro balé para nos prender esperando o susto, sobem a trilha e diminuem mostrando que até mesmo isso pode ser subvertido. Nos dando ainda mais trabalho para juntar as peças do quebra-cabeça sobre quem está usando a máscara de fantasma desta vez!

Talvez se você for percebendo certos elementos desde o começo, consiga desvendar o mistério, contudo a forma como a narrativa é contada nos faz adentrar o suspense de tal modo que quando a revelação acontece, se faz de forma aterradora, caótica e completamente surtada! E tudo isso funciona perfeitamente dentro da franquia!

Para isso, Sidney Prescott ressurge como uma verdadeira lenda do horror, e tornando Neve Campbell não só a melhor "Final Girl" do cinema, mas uma presença quase que divina diante do novo assassino. O resultado dessa união entre novos rostos e o trio emblemático (David Arquette e Courteney Cox ótimos também) é uma catarse de tensão, mutilações e surpresas que nos deixaram ainda mais próximos do que acontece em tela! E neste último ponto, "Pânico" novamente abraça uma geração!

Em 1996, o texto do primeiro filme da franquia trazia a influência dos filmes de terror e o quanto seguir as regras do gênero poderia resultar em consequências mortais. Já em 1997, as sequências foram questionadas, pois é necessário fazer algo maior e ainda mais chocante. Nos anos 2000, a terceira parte conectou tudo, trouxe revelações do passado e abraçou ainda mais metalinguagem. Em 2011, início da era das redes sociais, a fama se tornou um alvo e o meio para conseguir era ser a vítima perfeita, ou melhor, a única sobrevivente! Mas o que fazer 25 anos depois?

Existe uma "onda" na internet de pessoas que através de seus comentários, publicações e comportamentos fundamentam o discurso de que "antes as coisas eram muito melhores"! Esse discurso é utilizado como ferramenta principalmente quando temos alguma minoria envolvida numa produção e se for relacionada a alguma franquia famosa, pode ter certeza de que o racismo, a homofobia e o machismo também estarão atrelados. Pois o apego do fã por algo que não lhe pertence se torna doentio, agressivo, capaz de fazer a figura endeusada ganhar coisas, mas através de um custo violento!

E podemos aplicar esses elementos dentro e fora da cultura pop!

Assim, 'Pânico' pega esse texto para mostrar que os jovens perseguidos agora estão ali por razões do passado de Woodsboro, por conta de figuras que fizeram a história conhecida ser ainda mais conhecida e principalmente, para apagar de vez o que foi feito de "errado", escrevendo a maneira do assassino um novo começo! Entretanto, não se pode simplesmente deletar o que foi estabelecido, ao menos que você inclua o que já existia em sua nova trama mortal, por isso, Sidney, Gale e Dewey não ficarão isentos!

Deste modo, "os cactos" de Ghostface personificam as figuras que utilizam de forma pejorativa termos como "lacração" ou famosa frase "destruíram minha infância", demonstrando quão bizarra é a vida de um fã!

'Pânico (2022)' revitaliza a franquia, homenageia Wes Craven e estabelece novos rumos para uma história que pode continuar ao longo dos anos subvertendo, criticando, fazendo piada e mergulhando cada vez mais nas regras de terror, e na tão conhecida metalinguagem! E aqui, empregando uma dose absurda de violência e suspense, somos levados ao mistério num mesmo sentimento que o original de 1996, onde nossa percepção se confunde à catarse de tensão, mutilações e surpresas!

Assim, a nova narrativa é contada nos fazendo adentrar a história de tal modo que quando a revelação acontece, se faz de forma aterradora, caótica e completamente surtada! E tudo isso funciona perfeitamente dentro da franquia!

Ao final, quando o telefone tocar e se perguntarem "Qual seu filme de terror favorito?", tenha certeza de uma coisa, existe algo muito pior do que a morte: Se tornar membro de um fandom!

Pânico está em cartaz nos cinemas!

 

Will Weber
Geek Guia
 

Tags
sombra

Promoções
sombra

Artista em Destaque

171
17

Amigos da Super