Notícias
  21/12/2020 às 13h41

Mulher-Maravilha 1984


7
0
Mulher-Maravilha 1984

O Universo da DC nos cinemas é repleto de controvérsias, erros e acertos! Isso faz com que as expectativas em relação a qualquer produção se tornem as mais variadas, em diferentes níveis. Porém o mais interessante nisso tudo é a capacidade do estúdio, ao lado da Warner, em sempre reinventar uma maneira de contar suas histórias, fazendo total sentido quando se trata de trabalhar multiversos!

Deste modo, Mulher-Maravilha 1984, sai completamente do escopo DC de realizar filmes, trazendo uma nova perspectiva para a franquia e principalmente, tirando de campo o egocentrismo de diretores para se apoiar no que realmente importa: as histórias em quadrinhos na tela! E se há mais alguma coisa que esta produção consegue realizar é demonstrar a possibilidade de contar uma narrativa divertida, à altura de sua protagonista e ao mesmo tempo, apresentar novos pontos de seu cânone! Isso é a Patty Jenkins mostrando como se deve fazer!

Estamos no ano de 1984, e Diana concilia sua vida como arqueóloga em um museu e Mulher-Maravilha para ajudar as pessoas da cidade diversas vezes. Contudo, quando um artefato antigo cai nas mãos da pessoa errada, a heroína precisa conter essa nova ameaça antes que o mundo seja destruído. Ao mesmo tempo, Steve Trevor retorna de maneira misteriosa e junto dele, surge uma nova oponente para Diana, Bárbara, que não medirá esforços para se colocar no caminho da Mulher-Maravilha!

Patty Jenkins dirige e escreve o segundo longa da Princesa Amazona da DC Comics. E sabendo o que realizar, a diretora eleva ainda mais os conceitos, exaltando sua personagem, suas origens, e dando um tom diferente para o universo que está sendo construído no cinema. Por isso, saem de cena toda estética de Zack Snyder e entra assinatura de Jenkins em todos os momentos, demonstrando então que não há mais lugar para quem almeja ditar regras com produções questionáveis!

E nesse estilo de comando, as sequências de ação são coreografadas de maneira exímia, desafiando a lógica e a física, mas plausíveis dentro do contexto revelado. A fotografia colorida e a ambientação "oitentista" saltam aos olhos, tornando tudo crível, se encaixando ainda mais com as vivencias de Diana. Outro ponto a ser destacado é o figurino do longa, que não apenas retrata a época e sim completa certos pontos de personalidade dos personagens!

Assim, quando vemos uma sequência das amazonas em uma disputa quase olímpica ou as ações da Mulher-Maravilha no cotidiano dos cidadãos, a atmosfera de quadrinhos ganha uma forma amplamente significativa, dando um tom de aventura ao longa metragem que remete à outros clássicos do cinema. Ao mesmo tempo, o elemento principal da história e o humor empregado são pontos retirados diretamente das páginas, e funcionam de maneira competente na história que é contada!

Grande parte disso acontece por conta do elenco!

Gal Gadot entrega além do que já havíamos visto. Esta uma Diana mais experiente, consciente e decidida em suas questões! Ao mesmo tempo, demonstra fragilidade quando necessário, principalmente para entender o que é necessário realizar em sua jornada como heroína. Gal é a Mulher-Maravilha em todos os aspectos e sem discussão! Já Kristen Wiig traz muito de sua experiência com o humor, dando camadas a personalidade da Mulher-Leopardo, e quando a vilania precisa sobressair, temos um confronto de iguais em vários aspectos no longa. E Pedro Pascal e Chris Pine estão lá, é isso!

Esta é uma narrativa sobre escolhas, desejos e perdas. Sobre aquilo que tanto almejamos e as consequências de querer algo a qualquer custo! Falando dessa forma, soa completamente piegas e caricato, mas é isso mesmo! O texto presente em Mulher-Maravilha 1984 se apoia em todas as convenções e lições que encontramos nos quadrinhos, justamente para nos lembrar através da figura de Diana, os resultados de uma vida movida apenas pela ganância e pelo poder!

+ Siga a rádio FM Super também pelo Facebook, Instagram e YouTube.

Nesse contexto, a protagonista é colocada diante uma situação em que suas decisões irão afetar completamente a figura que é, chegando a possibilidade de perder tudo o que sempre possuiu. Ao mesmo tempo que seus antagonistas se encontram em uma jornada semelhante, numa busca por poder e reconhecimento descontrolado. São três lados de uma mesma situação, onde vemos quem sempre viveu excluída de tudo se sobressair, quem nunca teve nada começar a conquistar e quem teve tudo, e perdeu, reencontrando um dos sentidos para continuar!

Entretanto, a velha e conhecida frase: "Cuidado com o que você deseja" vai ecoar e muito na cabeça do espectador!

Assim, dentro dessa construção sobra tempo para trabalhar as camadas dos personagens, suas personalidades e mudanças de índole durante a trama. Junto disso, alguns pontos se tornam até mesmo desconexos e entroncados no que se pretende realizar. O que torna o filme extenso demais em certos pontos e o plot principal de Diana um tanto quanto repetitivo! Lógico que nada disso remove a grandiosidade da figura representativa que é a Mulher-Maravilha e tão pouco os ensinamentos da produção que farão adultos lembrarem dos quadrinhos e as crianças cada vez mais deslumbrarem com essa heroína!

Mulher-Maravilha 1984 é divertido, clichê e o que sempre esperamos de um filme baseado em história em quadrinhos! Na obra, encontramos lições que precisam ser aprendidas, uma heroína que nos acompanha dentro dessa aventura, vilões perigosos e um final repleto de otimismo e esperança! Tudo o que precisamos nesses últimos tempos!

Petty Jenkins então se torna a diretora mais competente da DC Comics nos cinemas, principalmente por fazer desse um exemplo que pode, e deve, ser seguido para que as histórias da editora possam ser realmente contadas no nível que merecem, sem narcisismos ou conceitos mal empregados. A diretora faz das páginas o seu filme e vice-versa!

Diana inicia o longa nos contando sobre algo que precisou aprender para continuar entendendo o seu lugar no mundo e nos faz perceber, ao término, que existe sempre algo de bom ao nosso redor. São como a primeira e última página de uma revista, onde a heroína faz uma pose, contemplando algo enquanto um balão carrega uma frase de efeito! E essa produção conseguiu gerar esse sentimento, o trabalho da dupla Gal Gadot e Patty Jenkins está mais do que consolidado na sétima arte! Maravilha, não é mesmo!?

Mulher-Maravilha 1984 está em cartaz nos cinemas!

Aviso Importante: Há uma cena durante dos créditos de encerramento, então aguarde um pouquinho na sala de cinema, ainda seguindo os protocolos de segurança!

Will Weber
Geek Guia

Tags
sombra

Promoções
sombra

Artista em Destaque

147
18

Amigos da Super