Notícias
  10/01/2022 às 9h35

A Filha Perdida


4
1
A Filha Perdida

O livro de Elena Ferrante que originou a mais nova adaptação na Netflix, A Filha Perdida, aborda a pressão social vivida por mulheres durante este processo. E se colocarmos na ponta do lápis, produções que trazem a verdadeira essência do que é ser mãe e os sentimentos envoltos a tudo, são poucos, mas quando ocorrem, cumprem um papel arrebatador de contar uma história que muitas pessoas não querem conhecer!

Sob a direção e roteiro de Maggie Gyllenhaal, o longa aborda de forma precisa e incomoda do lado sombrio e inexplorado da maternidade. A vencedora de Oscar, a atriz Olivia Colman interpreta a personagem Leda. Uma professora universitária, divorciada e mãe de duas filhas.

De férias, em sua viagem sozinha para o litoral sul da Itália, se depara com a chegada de uma família esnobe, entretanto, Leda se vê fascinada pela semelhança de Nina ( Dakota Johson), uma mulher jovem, claramente exausta com todas as obrigações que exige em ser mãe, além do relacionamento conturbado com o marido Toni (Oliver Jackson-Cohen) assim como Leda foi um dia , em sua juventude!

O desenrolar da trama se tem através da interação de Leda com os demais integrantes desta família e os habitantes local da pequena ilha, a cada ato há imagens em flashback sobre o passado da protagonista, abrindo espaço para análise e interpretação da metáfora aplicada em relação ao título da obra e as cenas apresentadas.

+ Siga a rádio FM Super também pelo Facebook, Instagram e YouTube.

Filmes como " A Filha Perdida" fogem da linha no qual estamos habituados! É preciso atenção, pois ele discorre de forma minuciosa e monótona. Por sua vez, torna-se perceptível a forma elaborada em que a trama é conduzida! Os diálogos e ações acontecem de forma linear mesmo que apresentadas em tempos diferentes entre os flashbacks do passado e o presente da personagem Leda.

A fotografia de Hélène Louvart estabelece com êxito o equilíbrio do ambiente e os elementos de sua composição, os tons mais frios e escuros, como azul, verde, cinza e preto são predominante nesta obra. Além do trabalho brilhante do montador brasileiro Affonso Gonçalves, em que capta de maneira quase como claustrofobia as expressões e gestos de cada personagem, nós trazendo a sensação de incômodo e inquietação

A trilha sonora nos envolve de maneira nostálgica e apreciativa, fazendo com que o espectador seja introduzido aos poucos na personalidade da protagonista Leda, uma mulher brilhante, expressiva e autêntica. Já a jovem Nina, personagem da Dakota Johnson exibe sua beleza de maneira singela e melancólica, demonstra não estar satisfeito com a vida que leva, pressionada por seu marido, familiares e exausta com os cuidados que requer em ser mãe.
Em determinados momentos, como quando Leda ajusta o chapéu de Nina, há uma certa sensação de cuidado materno por parte da protagonista, que se vê no dever de amparar a jovem instável, mesmo que para isso acredite que sua experiência como mãe trata-se de uma verdade absoluta para todas as mulheres que enfrentam a maternidade.

"Ser mãe não é natural para mim "
A frase acima é dita pela protagonista no ápice da trama e é de um impacto e sensibilidade enorme! É neste momento que percebemos o fardo em que Leda carrega em ser mãe.

Há uma grande romantização na maternidade. Quando a personagem menciona que seus melhores dias foi quando abandonou por 3 anos suas filhas ainda pequenas, chocando o telespectador e ao mesmo tempo gerando empatia, somos acometidos com imagens do seu passado, interpretado majestosamente por Jessie Buckley, transmitindo os sentimentos ambíguos com relação à maternidade.

E uma vez que, por diversos motivos, sente-se dividida entre sua profissão, suas escolhas pessoais e a necessidade de oferecer cuidados integrais as filhas, evidencia a falsa construção de uma narrativa ultrapassada, de que apenas por ser mulher o "instinto materno" a conduzirá de maneira natural para exercer a responsabilidade como mãe.

Assim, 'A Filha Perdida' nos faz entender que não existe realização plena na maternidade, e esta descoberta leva ao sentimento de culpa.

A Filha Perdida está disponível na Netflix!


Will Weber
Geek Guia

Tags
sombra

Promoções
sombra

Artista em Destaque

171
17

Amigos da Super